Dia dos pais pra quem?

O dia dos pais está se aproximando e, obviamente, as lojas de perfumes, roupas e acessórios masculinos já começaram a intensificar sua divulgação. Porém uma propaganda tem chamado a atenção, você sabe qual?


Exatamente, a propaganda de dia dos pais da Natura. Nesta divulgação para o dia dos pais foram escolhidas diversas pessoas para participar do comercial: um pai negro, um pai branco, um pai com "uma cara assim", um com "uma cara assada", e dentre eles está Thammy Miranda, um homem transsexual.

A propaganda causou um certo rebuliço na internet. Se você não sabe, um homem transsexual é uma pessoa que nasceu biologicamente mulher, assumiu uma identidade de gênero (gênero com o qual a pessoa se identifica) feminina porém veio a se identificar com o sexo masculino. Não necessariamente esta pessoa passa por alguma intervenção médica, seja utilização de bloqueadores hormonais ou uma cirurgia de redesignação sexual, popularmente conhecida como cirurgia de mudança de sexo.


Este é um assunto polêmico atualmente e altamente polarizado. Mesmo eu, que conheço moderadamente o assunto, não me sinto seguro em relação à terminologia pois estou longe de ser um especialista na questão. Porém, todos nós sabemos que para opinar em um assunto não é necessário entender dele. Tanto que, na página do youtube onde foi feito o upload da propaganda podemos ler diversos comentários, tanto a favor quanto contra, de pessoas com os mais diversos níveis de compreensão da temática.

Mas o que define um pai?

Ou melhor: o que se espera de um pai?


Se quisermos ser bem biologicistas (focados nos aspectos orgânicos e biológicos) e nos embasarmos em características genéticas, podemos dizer que o pai é o progenitor que fornece material genético e não faz a gestação. Porém isso é verdade para os mamíferos, filo ao qual pertencemos, mas outros grupos como aves e répteis são ovíparos (colocam ovos) e não apresentam um período de gestação. Existem também exemplos como o do cavalo marinho, o mais popular, onde o macho que “fica grávido”. A verdade é que mesmo as definições de macho e fêmea dentro da biologia não são tão simples quando analisadas de perto. Isso falando apenas de animais, se incluirmos plantas a coisa fica bem mais complexa.


Mas nós não estamos falando de uma propaganda voltada para cavalos marinhos, caturritas ou tartarugas, estamos falando de humanos. Será que a experiência da paternidade na espécie humana se resume apenas a características biológicas e genéticas?

Eu aposto que você já escutou essa frase: Pai é quem cria.


Influenciados por questões biológicas e sociais vivemos em uma infeliz realidade onde muitas crianças são abandonadas por seus pais biológicos ou sofrem da ausência da figura paterna em suas vidas. Não é a toa que décadas atrás Freud, sim aquele cara, desenvolveu boa parte de sua teoria debruçada no núcleo familiar mais comum na época: pai, mãe e filhos. De lá para os dias atuais este núcleo sofreu algumas mudanças, mas ainda assim falamos de algo chamado figura paterna. Que pode ser ocupada por um homem, uma mulher, ou até mesmo dividir espaço com uma figura materna. Mas o que se espera dessa figura paterna?


Apesar de uma maior flexibilidade nos critérios levados em consideração sobre quem assume esta figura, suas características e funções ainda permanecem firmes em nossas relações. O “pai” normalmente é o responsável por colocar limites, por fazer valer as regras da casa; é aquela pessoa que costuma tomar as decisões pelo núcleo e arcar com as consequências das mesmas. É a figura de autoridade, aquela pessoa que assume uma posição fálica.


Freud fazia essa analogia do Falo com o pênis, e numa linguagem popular os dois são tidos como sinônimos. Entretanto na psicologia o Falo representa todo um conjuntos de significados e, desculpa pela piada, "passa de mão em mão". Quando o seu amiguinho no colégio dizia “a bola é minha e a gente joga o que eu quiser” ele estava exercitando uma postura fálica. Agora, se a minha supervisora diz “faz isso, faz aquilo” eu baixo a cabeça e faço. Pois agora ela está na posição de comando, de autoridade, numa posição fálica.

Ambos os sexos podem assumir uma posição de autoridade e esta é apenas uma fração do que é esperado de uma figura paterna. É esperado que além disso um pai seja capaz de oferecer segurança, orientação e suporte. Esta figura paterna deve servir de exemplo durante as etapas de vida de seus filhos, tanto meninos quanto meninas. Pai é aquele que fica brabo quando você quebra algumas coisa, mas depois te mostra como limpar e corrigir o erro. É aquele que empresta sua força e tamanho para pegar a bola que ficou presa na árvore. É aquele que pega a caixa de ferramentas para tentar arrumar a casa da barbie que ficou sem uma portinha.


Nenhuma dessas funções depende de como uma pessoa nasceu, de consanguinidade ou de outras características físicas. Qual a extensão da sua paternidade? Você é um doador de material genético? É uma autoridade? É um exemplo de vida? Você que escolhe...

1 comentário

©2018 by Léo Strack - Terapia a Domicílio. Proudly created with Wix.com