O Fenômeno dos Jogos Sociais

Nas últimas semanas dois jogos eletrônicos receberam muita atenção dos jogadores e da mídia. Eles são: "Fall Guys" e "Among Us". Mas o que esses jogos tem em comum? O que fez com que chamassem tanta atenção?


Com o crescente desenvolvimento e aprimoramento de tecnologias como processadores e memória em vídeo games e computadores muito jogos apostam em gráficos mega realistas e mecânicas complexas para atrair e manter jogadores interessados. Este não é o caso de "Fall Guys" e "Among us". Um olhar rápido deixa claro que os gráficos fofinhos e simplistas associados aos controles de mecânica prática e rápida de se aprender não exigem muito poder de processamento. Muito pelo contrário, o segredo do sucesso destes jogos está fora dos consoles, está no jogador.


Em ambos os casos a atração principal do jogo é você. Em "Fall Guys" você controla um bonequinho que parece um feijãozinho em uma série de desafios, tentando não ser eliminado e se classificar para a próxima etapa da competição. Se você for velho como eu talvez se lembre das "Olimpíadas do Faustão" que costumavam ser transmitidas nos domingos a tarde. Estes desafios são muito parecidos com os que passavam na televisão, mas com um diferencial: todos os jogadores percorrem o trajeto ou jogam o mini-game simultaneamente. Isso permite que jogadores se ajudem, quando o jogo envolve equipes, mas principalmente atrapalhem e dificultem o sucesso de seus concorrentes. Dessa forma mesmo que as provas se repitam dificilmente o decorrer delas será o mesmo.


Seguindo uma mesma lógica mas apostando em uma interação menos caótica, "Among Us" coloca o jogador em uma espécies jogo de detetive. Ao abrir o jogo você pode entrar em uma sala aleatória ou escolher uma, normalmente onde já estão seus amigos. O grupo então é posto em um cenário onde todos são membros de uma tripulação em uma nave espacial. Cada um recebe uma lista de tarefas a serem feitas, caso contrário a nave explode. Parece simples mas o principal do jogo ainda está por vir: um destes jogadores é um impostor. O papel do impostor é sabotar a missão da tripulação, seja estragando componentes mecânicos da nave e obrigando os demais a realizarem os concertos o mais rápido possível, ou assassinando a sangue frio os ditos companheiros até que não sobrem mais tripulantes na nave. Antes que este desfecho terrível aconteça os tripulantes devem votar e excluir, um a um, suspeitos de serem o impostor. Em um jogo de enganação e politicagem "Among Us" é capaz de entreter pessoas por longas horas em diversas partidas rápidas onde a lábia e a conversa certamente irão gerar muitas risadas.


Apostando em você jogador


Em ambos os casos os jogadores não são atraídos por gráficos, mecânicas elaboradas e histórias fascinantes. Muito pelo contrário, os jogos apresentam mecânicas simples, gráficos pouco demandantes e histórias que podem ser resumidas a um parágrafo (literalmente). Os desenvolvedores destes jogos apostam em algo muito mais único para atrair seu público, o próprio jogador. Em uma visita rápida ao YouTube é fácil encontrar vídeos onde pessoas se reúnem em uma destas plataformas para jogar um jogo onde o principal fator é a interação entre os jogadores. De preferência pessoas que já se conhecem de outras círculos de amizade.


O ser humano é um animal social e jogos multijogador são tão antigos quanto qualquer outro registro cultural conhecido. Essa inclusive não é uma característica estritamente humana. Diversos mamíferos apresentam comportamentos de brincadeira, a maioria deles girando em torno de exercícios e simulação de situações de caça ou disputa com outros animais. Cachorros brincam de morder uns aos outros, gatos "caçam" folhas e outros objetos que se movem na sua frente, chimpanzés brincam de forma tão elaborada que seu desenvolvimento é extremamente próximo do de uma criança humana.


Comportamentos sociais são tão importantes em mamíferos que chegam a "ter um hormônio próprio", a Oxitocina. Diversas pesquisas apontam a importância deste peptídeo no estabelecimento de um vínculo social, amoroso, inclusive no vínculo entre a mãe e seu bebê durante todo o período de amamentação e pós-natal. Um estudo em 2003 apontou que tanto cães quanto seus donos apresentaram um aumento significativo nos níveis de ocitocina após sessões de 5 a 24 minutos de carinho, sugerindo a importância deste hormônio também em relações interespecíficas. Quem não gostaria de participar de uma pesquisa dessas não é mesmo?


Entretanto o papel da Ocitocina em atividades sociais online ainda não é claro. Pesquisas apontam que a liberação do hormônio ocorre após atividades sociais positivas como conversas, carinho, jogos entre outros. Porém quanto desse efeito ainda ocorre durante uma partida de vídeo-game ainda é um mistério. Mas será que o sucesso de jogos sociais se deve apenas a este fator?


O que mais precisamos durante a quarentena


Durante este período de quarentena tivemos altos e baixos. Primeiro houve uma onda de medo de sair de casa. Shoppings, parques e outros locais de socialização foram fechados. Notícias de mortes na China e Europa inundavam os noticiários na televisão e rádio. Com o passar do tempo fomos nos acostumando a nova realidade e, com a diminuição do número de mortos, nos tornamos mais ousados em nosso dia a dia. Saídas para fazer exercício físico, retomada do trabalho, reabertura de locais que estavam fechados. O relaxamento de medidas de proteção levou a um novo pico na disseminação do vírus e mais uma vez nos vemos divididos entre a vontade de seguir nossas vidas normalmente e o risco de que algo pior aconteça.


Ao longo desse período nossa vida social sofreu diversos golpes e a insegurança se tornou parte da rotina. Será que em um cenário como este não seria natural buscarmos novas formas de socializar? Tratar vínculos rompidos pelo isolamento, fortalecer o contato com pessoas queridas, buscar interações sociais positivas... E exatamente no momento em que estamos mais sedentos por socialização jogos como "Fall Guys" e "Among Us" caem no gosto do público e torna-se uma febre entre jogadores de vídeo-game e computador. Será coincidência? Qual a sua opinião?


2 comentários

©2018 by Léo Strack - Terapia a Domicílio. Proudly created with Wix.com